Posts Tagged ‘25 de abril’

25 Sempre!

Tuesday, April 25th, 2017

Em outubro de 1973 houve eleições para a Assembleia Nacional.

Concorreram a Acção Nacional Popular (ANP) e… a Acção Nacional Popular.

A Comissão Democrática Eleitoral (CDE), que congregava diversas forças da Oposição, desistiu antes do acto eleitoral, considerando que as eleições não eram democráticas.

Foi o último acto eleitoral antes do 25 de Abril de 1974, a última farsa permitida pelo sardónico Marcelo Caetano, que tinha prometido uma abertura democrática, que nunca aconteceu. No entanto, alguma liberdade de imprensa foi permitida, durante a campanha eleitoral.

Foi graças a essa ténue abertura, que foi possível publicar, no suplemento Fim de Semana do jornal República, estas pequenas “piadas”, sobre as eleições, a que chamámos “O Maumento Eleitoral” (claro que a ANP era a Lista A… e não havia mais nenhuma lista candidata…; três das curtas cenas foram ilustradas por um tipo que assinava Patrício e que, sinceramente, nunca conheci pessoalmente…)

Tudo isto parece um pouco patético e até infantil, mas era a única maneira de passar pelas malhas da censura e, digo-vos muito sinceramente, na altura fiquei espantado como aquele suplemento do República veio a público.

O Maumento Eleitoral

1º Voto

Um cavalheiro entra numa loja:

– Bom dia, eleições?

– Não temos.

2º Voto

 

3º Voto

Em frente à urna. um cidadão:

– Eu vinha votar, mas posso ter a certeza de que o sigilo do meu voto será mantido?

– Certamente! Passe para cá o seu voto na Lista A!

 

4º Voto

5º Voto

– Já contaram os votos do Barreiro?

– Não. As urnas foram a enterrar!

 

 

 

 

 

 

 

 

6º Voto

 

Conversas em Família nunca mais! 25 de Abril sempre!

Monday, April 25th, 2016

E é por isso que, para mim, o 25 de Abril será sempre recordado!

Ora tomem lá alguns excertos da Conversa em Família, do Presidente do Conselho, Marcello Caetano, de 4 de Julho de 1972 (recordo que esta Conversa era transmitida pela RTP, canal único de televisão; o sr. Presidente estava sentado num cadeirão, ao lado de uma lareira e falava-nos em tom professoral e condescendente, como qualquer ditador bom, por oposição ao ditador mau, o que tinha caído da cadeira):

Desde que o Senhor Almirante Américo Thomaz se presta ao sacrifício de continuar a exercer a Presidência da República, onde, dom tanta dignidade e devoção, tem servido os supremos interesses do País, só temos de agradecer a Deus o não sermos forçados a difíceis opções.”

Sobre a guerra colonial:

“Guerra colonial?
O sentido da frase é só um: chamou-se assim às campanhas outrora sustentadas por uma potência para submeter um território ao seu domínio, combatendo a rebelião das populações ou anexando países em estado primitivo.
Ora é fácil de ver que nada disso se verifica no Ultramar português.
Os territórios das províncias ultramarinas estão em paz e ninguém neles contesta a sua integração na Nação portuguesa.
Percorre-se a Guiné, anda-se pela vastidão da terra angolana, desloca-se quem quer que seja de lés a lés de Moçambique e não encontra populações revoltadas.
A vida decorre, por toda a parte, tranquila e normal, num ambiente de trabalho e de entendimento exemplares.
…e se a paz está perturbada, isso deve-se às guerrilhas que sem o apoio político, financeiro e militar de potências estrangeiras, teriam desaparecido há muito”.

E Marcello sabia como se deviam construir as sociedades africanas:

“As sociedades africanas têm que ser construídas fraternalmente pelos brancos e pelos pretos, fornecendo uns a sua experiência e tecnologia, e dando os outros os elementos válidos da sua cultura.”

As Conversas em Família foram alguns dos momentos mais tristes de uma ditadura saloia, pobre, isolada e envergonhada.

Portugal, 24 de Abril

Friday, April 24th, 2015

* Miguel Macedo foi ministro da Administração Interna e demitiu-se porque era amigo de um alto funcionário que foi preso, acusado de corrupção.

Rumores correm, segundo os quais Macedo também está envolvido, pelo que ele, que é deputado, pede o levantamento da imunidade.

A Comissão de Ética do Parlamento recusa o seu pedido, por unanimidade.

Decisão corporativa ou medicina preventiva?

Sem imunidade, quem livraria Macedo de ser infectado mais cedo?

* O PSD, CDS e PS querem fazer renascer o chamado “exame prévio”, eufemismo para censura.

Cada órgão de comunicação social deveria, então, apresentar um plano de cobertura jornalística do período eleitoral, que seria apreciado por um novo órgão, uma espécie de comissão mista composta por elementos da Comissão Nacional de Eleições e pela Entidade Reguladora da Comunicação Social.

Teríamos assim mais um órgão, como se o pâncreas, o fígado, a próstata e os testículos já não fossem suficientes!

Depois, se esse órgão achasse que o plano não era, digamos, adequado, o órgão não poderia fazer a cobertura.

Ora, um órgão sem cobertura apanha pó e está sujeito a emperrar.

Voltaríamos ao exame prévio.

Abrir as pernas antes de ser comida.

* Uma investigação da Universidade da Beira Interior, na Covilhã, indica que o consumo moderado de cafeína – 3 a 4 cafés por dia – pode ajudar à produção de espermatozóides.

Ora aqui está uma boa notícia, para compensar.

Hoje é sexta-feira e, esta semana, já bebi, pelas minhas contas, 24 cafés.

Portanto, cuidado comigo!

* Diz o Correio da Manhã que a Linha de Saúde 24 atendeu, em 2014, 526 mil chamadas telefónicas.

No que respeita à doença, os portugueses seguem a máxima: não vá, telefone?

Não – preferem a máxima: telefone e vá na mesma!

* O relatório das Nações Unidas sobre a felicidade dos países, coloca-nos no 88º lugar do ranking, 15 lugares abaixo do que estávamos há 3 anos!

O Governo Passos-Portas tornou-nos mais infelizes!

Ainda mais infelizes!

O país mais feliz do mundo é a Suíça e nós ficamos abaixo da China, da Sérvia e até da Zâmbia, país onde a esperança média de vida é de 57 anos, enquanto que nós, vivemos, em média, 80 anos.

Quer dizer, vivemos mais 23 anos fodidos da vida dos que os zambianos (ou será zambenses?).

Numa escala de felicidade de 0 a 10, ficamo-nos por 5,1.

Somos uns meias-tintas da merda!

O que vale é que, amanhã, é 25 de Abril…

25 de Abril, sempre!

Friday, April 25th, 2014

São apenas números?

1. Partos em casa em 1974 – 66%; em 2012 – 0,7%

2. Percentagem de mulheres no total de doutoramentos em 1974 – 12,6%; em 2013 – 54,1%

3. Estudantes do ensino superior em 1970 – 49 375; em 2011 – 1 244 742

4. Alunos no ensino secundário em 1970 – 43 653; em 2013 – 411 238

5. Taxa de analfabetismo em 1970 – 25,7%; em 2011 – 5,2%

6. Mulheres no mercado de trabalho em 1974 – 1 540 500; em 2013 – 2 565 100

7. Habitações com água canalizada em 1970 – 50,4%; em 2011 – 73,2%

8. Esperança média de vida em 1974 – 68,2 anos; em 2011 – 79,8

9. Taxa de mortalidade infantil em 1970 – 37,9 crianças morriam por cada mil que nasciam; em 2013 – 3,4

E ainda acham que isto está muito pior?…

Ah! Ah! Ah!

Saturday, April 5th, 2014

Pedro Lomba é secretário de Estado adjunto do ministro adjunto Poiares.

Disse ao i:

«O governo tenta continuar e desenvolver o espírito do 25 de Abril original»

Ah! Ah Ah! Ó Lomba estás mesmo a precisar de uma lombada, pá!

25 de Abril sempre!

Thursday, April 25th, 2013

* «Esse homem extraordinário que é o Presidente Marcello Caetano, sempre presente no coração e na alma de todos os portugueses que compreendem o esforço gigantesco desenvolvido pelo Chefe do Governo a favor da elevação social do povo português e do engrandecimento de Portugal»

– Afonso Marchueta, governador civil de Lisboa, 27 agosto 1973

* «No campo social também há a reacção, como no campo fisiológico; se é justo reagir contra e febre e a doença, porque não reagiremos contra a revolução e todas as moléstias do corpo social? Com justiça, pois, nós somos, nossos princípios são, reaccionários»

– José Pequito Rebelo, jornal “O Debate”, janeiro 1972

* «Na hora presente em que Goa criada por Albuquerque vive num cativeiro, sob o peso da abominável tirania indiana, exclamemos com aquele veterano de longas barbas, coberto de cicatrizes, batendo no túmulo com o seu bordão: “Levanta-te, capitão, que se perde o que ganhaste!”»

– Editorial do jornal “Heraldo”, janeiro 1972

* «Esta triste realidade significa que o ofício de governar se está a tornar cada vez mais difícil e árduo, exigindo, além de inteligência, de tacto, de sabedoria e de persistência, sobretudo de muita e inflexível firmeza contra a degradação, a indisciplina, os desmandos e os acto de puro banditismo. (…) Trabalhar no sentido de pôr termo ao retrocesso moral, veneno subtil que está provocando a poluição das almas, para mim a mais grave e perigosa poluição dos tempos actuais».

– Amério Thomaz, presidente da República, janeiro 1973

25 de Abril sempre!

Wednesday, April 25th, 2012

* 25/111973 – «Poderá ser recusada a matrícula ou inscrição aos alunos dos estabelecimentos de ensino dependentes do Ministério da Educação Nacional que, pelo procedimento anterior, sejam justificadamente considerados como prejudiciais à disciplina dos estabelecimentos – estabelece um decreto-lei publicado hoje do Diário do Governo»

* 4/12/1973 – «Como havíamos noticiado, o Instituto Superior Técnico reabriu ontem as suas portas após ter sido encerrado pelo seu director, prof. Sales Luís, por um período de duas semanas. (…) Ainda, e na prossecução do processo em causa, cerca de mais de cem alunos receberão “um primeiro aviso” a fim de “reconsiderarem e passarem a participar na vida do Instituto como reais alunos, num clima de confiança e de respeito mútuo”, como consta ainda da mesma circular».

* 5/12/1973 – «Cerca de trinta alunos do sexto ano da Faculdade de Medicina de Lisboa, aos quais falta apenas uma cadeira para terminarem o curso, foram impossibilitados de frequentar o estágio, por decisão do Conselho Escolar da referida Faculdade».

* 12/12/1973 – «A direcção da Faculdade de Letras de Lisboa suspendeu dez alunos das secções de Filologia Germânica, Filosofia e História. (…) Foram presos dois estudantes do Instituto Superior Técnico que participavam numa reunião geral de alunos a decorrer nas instalações daquele estabelecimento de ensino superior.»

* 8/2/1974 – «Na sequência dos acontecimentos que ali (no ISPA) se têm verificado ultimamente, a direcção daquele estabelecimento de ensino fez sair um comunicado (…). Ontem, os estudantes que ali compareceram (no ISPA) encontraram as portas encerradas e um comunicado no qual se anunciava o encerramento temporário daquele estabelecimento de ensino.

– Recortes do jornal República

O que mudou com o 25 de Abril?

Tudo!

Otelo e as suas duas mulheres

Sunday, April 22nd, 2012

No próximo dia 25 de Abril, Otelo Saraiva de Carvalho vai lançar uma biografia.

De acordo com a Visão, nessa biografia, Otelo confessa viver com duas mulheres. E elas sabem.

De sexta-feira a domingo, o estratega do 25 de Abril vive com Dina, com quem se casou em 1960.

De segunda a quinta-feira, Otelo vive com Filomena, que conheceu em 1984.

Só assim se percebe por que razão Otelo não tem tempo para fazer outro 25 de Abril.

Vontade não lhe falta…

4 presidentes e 1 funeral

Tuesday, April 26th, 2011



25 de Abril, sempre!

Monday, April 25th, 2011

Para todos aqueles que dizem que isto está cada vez pior.

Esperança de vida antes do 25 de Abril – 68 anos; agora – 78,9 anos.

Médicos por 100 mil habitantes antes do 25 de Abril – 122; agora – 377.

Taxa de alfabetização antes do 25 de Abril – 72.6%; agora – 95%.

Número de alunos no ensino superior antes do 25 de Abril – 57 000; agora – 383 627.

Taxa de inflação antes do 25 de Abril – 25,1%; agora – 1,3%.

Mortalidade infantil antes do 25 de Abril – 37,9 crianças por mil nascimentos; agora – 3,6.

Isto chega e sobra.

Mas ainda há a liberdade…