“No Outono”, de Karl Ove Knausgard (2015)

Enquanto se aguarda a publicação do 5º volume da série A Minha Luta, a editora Relógio D’ Água publica este No Outono, o primeiro de mais quatro livros que este escritor norueguês escreveu.

Não há dúvida que o homem escreve que se desunha, mas nem tudo merecia ser publicado, acho eu.

Gostei muito, mas mesmo muito, de A Morte do Pai, gostei um pouco menos de Um Homem Apaixonado, já bocejei um pouco com A Ilha da Infância e tive alguma dificuldade em acabar Dança no Escuro.

Quanto a este No Outono, achei-o desinteressante.

Knausgard diz que esta série de quatro livros são uma espécie de carta para uma filha que vai nascer – e que será a sua quarta filha.

Suponho que, depois deste, surgirão volumes com as restantes estações do ano.

O livro é um conjunto de textos sob os mais variados temas, desde o silêncio, sacos plástico, golfinhos, a boca, víboras, molduras, igrejas, sapos, etc, etc.

A qualidade e interesse dos textos são muito irregulares; alguns são interessantes, outros são banais, muitos podiam ser textos de um qualquer blog mais ou menos confessional.

Não tenciono ler os outros três volumes, caso sejam editados por cá.

Tags: ,

Leave a Reply