De Balocas até Valpaços

O telejornal da Sic está a transformar-se, a pouco e pouco, num excelente programa humorístico.

Depois da história do roubo do Pilinhas, hoje tivemos direito a uma excelente reportagem sobre dois padres.

O primeiro padre é de Balocas, uma localidade do concelho de Seia.

Pois o senhor prior recusou-se a dizer missa durante as festas da aldeia, porque as mesmas eram abrilhantadas por um artista pimba, chamado Gabriel (?), acompanhado por duas bailarinas, “duas putas”, na opinião do pároco.

O segundo padre é o de Valpaços, que se recusou a dar a hóstia a uma menina, porque ela usava um decote que ele considerou indecoroso.

A repórter entrevista a menina à porta da igreja. A moça, com ar cândido, responde com os olhos postos no chão e exibe o tal decote, que deixa entrever dois milímetros dos seus seios púberes.

E, com os ésses sibilantes da beira, explica:

“O xenhor prior levantou a hóstia ainda maij alta e eu, como não chegava lá, voltei para o banco!”.

Coitadinha!…

Com a hóstia tão alta, como podia ela abocanhá-la?!

Xenhor! Por que obrigaich ach môchas a tão durach provachões?…

E a moça acrescentou que, depois, ao ver que ela olhava para ele, o eclesiástico exclamou, alto e bom som:

“Não me olhech com eches olhoch!”

Impagável!

Estas reportagens da Sic fazem mais mal à nossa dívida soberana do que o governo de Passos Coelho!

Tags: , , , , , ,

6 Responses to “De Balocas até Valpaços”

  1. TiaBabinha says:

    LOL! Eu tb bi exa reportagem! Impagável!!!!!

  2. joana says:

    Uma correcção apenas…Balocas e no concelho de Seia. existe outra Balocas realmente q pertencera a Oliveira do Hopsital ou Tabua, n tenho a cereteza, mas esta do padre e na freguesia de Vide, concelho de Seia

  3. Celina Rodrigues says:

    Sr. Coiso, Valpaços é em Trás-os-Montes, não nas beiras, o sotaque resulta do facto de não se unirem as palavras quando se fala.
    Pronuncia-se “trás os montes” lendo uma palavra de cada vez, e não trázosmontes.
    No caso da moça ela deve ter dito “mais alta”, em vez de “maizalta” como o Artur certamente dirá.

    Celina Rodrigues, transmontana pois claro!

    • Artur says:

      Pois a moça deve ser uma emigrante, porque sibilava os ésses… E, por amor do sr. prior, não é isso que está em discussão, mas sim a parolice do padre, mais a hóstia e mais o telejornal da sic!

Leave a Reply